HERMETO

Hermeto Pascoal, no auge dos seus 81 anos, acaba de lançar um disco chamado Hermeto Pascoal e Sua Visão Original do Forró (leia uma matéria falando sobre o disco AQUI). Abaixo a entrevista que ele deu recentemente no programa Um Café Lá Em Casa, do Nelson Faria, já citado aqui outras vezes =] E logo em seguida o link pra ouvir o disco no Spotify.

 

PEDRO MARTINS

Este post é pra falar rapidamente do guitarrista brasileiro (e brasiliense) Pedro Martins, que está com 24 anos e já rodou o mundo tocando. Já conheceu e já subiu no palco com grandes nomes que não vou ficar citando aqui pra não virar textão. Mas quem se interessar clica AQUI e dá uma olhada na biografia do rapazote.

Tem muitos vídeos dele no Youtube, mas um que eu destaco aqui (ou dois, no máximo rs) é tocando no Festival Choro Jazz, junto com o baixista Michael Pipoquinha. (veja do minuto 9:00 a 10 ou 11 rs)

 

 

 

Um outro vídeo é a participação no programa Casa do Som, onde ele conta um pouco da sua história e toca um pouco da sua guitarra.

 

 

E abaixo o link pra ouvir no Spotify um disco que ele gravou em 2015 com o também guitarrista Daniel Santiago!

 

Este post vai ser editado daqui alguns dias, porque acabo de descobrir que o Pedro está gravando o programa Um Café Lá Em Casa, do Nelson Faria. Com certeza a entrevista vai ficar legal pra complementar aqui 🙂

>> Chegou o dia de editar o post! =D Segue a entrevista do Pedro no programa do Nelson:

 

RAPHAEL RABELLO

O leitor Chosnofer (E blogueiro veterano – o link para o blog de fotografias dele está no nome) comentou no último post sobre o disco do Yamandu com o Paulo Moura.

Fui ouvir e lembrei de outro, do Paulo Moura com o Raphael Rabello (31/11/62 > 27/04/95)

Aqui um vídeo curto feito pelo Nexo Jornal, falando sobre a admirável história do prodígio Raphael Rabello.

E abaixo um disco feito em homenagem a Raphael Rabello. Um Abraço no Raphael Rabello, com participação de vários amigos (e fãs) como Rogério Caetano, Alessandro Penezzi, Hamilton de Holanda, Maurício Carrilho, Marco Pereira, Cristóvão Bastos, Yamandu Costa, entre outros (se bem que eu citei tantos que acho que só sobraram outros 2 rs)

Raphael Rabello no Programa Ensaio – TV Cultura (1993)

 

YAMANDU E HERZ!

Ricardo Herz é um violinista paulistano que estudou jazz e música clássica nos Estados Unidos e na França pra depois aplicar toda técnica em ritmos brasileiros. Recentemente, gravou um disco em parceria com o violonista Yamandu Costa. E violinista e o violonista, violino e violão.

Abaixo, uma matéria no programa Metrópolis onde eles tocam a música El Negro Del Blanco, do Yamandu, e conversam um pouco com o apresentador Cunha Jr.

Aqui os dois tocam juntos a música “Mourinho”, neste show do Sesc Pompeia que o Cunha Jr. comentou na matéria.

Aqui o Ricardo toca sozinho a música “Odeon”, clássico do choro, composição de Ernesto Nazareh.

E finalmente o link para ouvir no Spotify este novo disco dos dois =D Excelente disco!

 

 

TIM MAIA CAI NO FORRÓ

Outro dia estava trocando de rádio e apareceu o Tim Maia cantando um baião bem estilo Luiz Gonzaga, com triângulo, sanfona e zabumba. Achei legal, normalmente as rádios e canais de TV só lembram do Tim Maia com as mesmas músicas. Você é algo assim, é tudo pra mim, descobridor dos 7 mares, do Leme ao Pontal… rs

Aí lembrei de uma outra música dele que puxava pro forró. Fui pesquisar e encontrei mais algumas! Então esse post é só pra isso, pra reunir 5 músicas com o Tim Maia caindo no forró. =D

Essa última é um baião mais lento, um baião mais camuflado, porque não tem o triângulo marcando o tempo (uma das características mais marcantes) É a música Nanã, do Moacir Santos, coincidentemente tema do último post.

LANÇADO HOJE!

Black Bossa. É o nome do EP lançado HOJE pelo músico paulistano Alexandre Basa nas plataformas digitais.

Uma das músicas gravadas foi April Child, do compositor e maestro pernambucano Moacir Santos, já citado neste blog em outras ocasiões.

Esta música já teve diversas regravações pelo mundo todo. Neste vídeo podemos ver April Child tocada pela banda do grande violonista Chico Pinheiro, acompanhada da cantora Tati Parra.

A versão do Basa (lançada hoje rs) teve um arranjo mais atual, dançante, foi mais puxada pro Samba Rock. Fiz uma playlist no Spotify começando com a versão dele e seguindo com outras gravações de April Child, de intérpretes brasileiros e estrangeiros.

Tem Gilberto Gil, Leo Gandelman, Marco Pereira, Maucha Adnet (tia de Marcelo Adnet), Cesar Camargo Mariano, Joyce, entre outros. A playlist está logo aqui embaixo. É só clicar no play. (Se não tocar no seu computador ou celular, tente neste LINK)

 

 

JOINED

A ideia do Joined surgiu no festival de jazz de Trancoso, na Bahia. Lá o pianista, compositor e arranjador Cesar Camargo Mariano conheceu 3 músicos clássicos, dois alemães e um francês. Do encontro, nasceu uma amizade. Com a amizade, Cesar se sentiu à vontade pra sugerir a ideia da parceria. Um disco, um show, quem sabe um DVD. Os 3 aconteceram. O show, aliás, aconteceu em diversas partes do mundo. E foi um dos lançamentos mais elogiados do ano passado, com indicação ao Grammy e tudo.

Abaixo o teaser do projeto, com trechos de algumas músicas.

Nessa matéria, o próprio Cesar fala um pouco do Joined:

Uma obra prima. 🙂 Clique no PLAY abaixo para ouvir o disco no Spotify:

Cesar Camargo Mariano (piano, arranjos e produção)
Rüdiger Liebermann (violino)
Walter Seyfarth (clarinete)
Benoit Fromanger (flauta)
Conrado Goys (violão)
Sidiel Vieira (baixo)
Thiago Rabello (bateria)

Para comprar o DVD:

BRASIL
Loja Tratore: https://tinyurl.com/kh9cye6
Livraria Cultura: https://tinyurl.com/lugp6ol
Livraria Saraiva: https://tinyurl.com/maltmmh

JAPÃO
Taiyo Records: http://taiyorecord.com/?pid=115474338

Clique AQUI e leia a excelente coluna do produtor musical Cássio Laranja sobre o disco Joined e também sobre o livro de memórias do Cesar. 

 

DIA DA ÉLIS

Hoje a cantora Elis Regina faria 73 anos. Ou a ÉLIS, como carinhosamente chamava o colega e ídolo Tom Jobim. Aqui ela canta uma música de Tom, Águas de Março.

E vale sempre escutar o clássico disco Elis & Tom, que marca o encontro em estúdio de Elis Regina, Tom Jobim e Cesar Camargo Mariano, então marido de Elis, que produziu e fez os geniais arranjos do disco.

A oportunidade de gravar um disco com Tom foi um presente da gravadora Philips pelos 10 anos de contrato de Elis. Clique no play e ouça essa maravilha aqui:

 

IRISH

Música irish. Aquelas músicas que tocavam no porão do Titanic, lembra? Taí um bom fundo musical pra uma boa festa. Fiz o post pra inserir uma playlist do Spotify, mas já que falei do Titanic segue uma cena da música irish 🙂

Agora vamos pro SpDois álbuns do grupo americano Solas(grupo americano que toca música irlandesa)

O primeiro álbum é do ano 2000 e o segundo de 2016.

QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Pra você, qual foi a música do Carnaval 2018? Vou dizer aqui qual foi a música do Carnaval 1959! ahahah Uma música de carnaval diferente. Que não fala da folia das noites, mas sim da calmaria, da beleza e do sentimento de esperança, de renovação do nascer de um DIA de carnaval. Pode ser a quarta-feira de cinzas.

“Manhã, tão bonita manhã… / Na vida, uma nova canção”

A composição é de Luiz Bonfá e Antônio Maria. Uma composição de 1959 que foi tema do filme Orfeu Negro e tornou o brasileiro Luiz Bonfá famoso internacionalmente. (Inclusive bem mais famoso do que é hoje nacionalmente)  Bonfá foi um dos ídolos do Tom Jobim e também foi um grande amigo. No início da carreira, Tom carregava seus amplificadores, como disse numa entrevista:

“Gravei muita música dele e com ele. No início, quando gravávamos juntos, era eu quem carregava aqueles aparelhos pesadíssimos, os amplificadores do violão dele”

A música (e o autor) são considerados como base do início da Bossa Nova. Aqui o próprio Luiz Bonfá canta a música em um programa de TV dos Estados Unidos, no ano de 1963, ao lado do cantor americano Perry Como, que inclusive canta uma estrofe da música em inglês.

Agora a versão de João Gilberto, também de 1959

A música foi gravada por muitos, MUITOS artistas. Até pelos 3 Tenores

Frank Sinatra

A violonista japonesa Xuefei Yang

E também (veja que inusitado) por um trio de DJs libaneses, em um projeto chamado THE REG PROJECT que tinha o objetivo de fazer versões mais dançantes de músicas libanesas e árabes. De última hora a música brazuca Manhã de Carnaval também foi escolhida, a versão pode ser ouvida abaixo (Spotify)

Pra fechar, a versão instrumental do Rio65Trio (trio brasileiro de sambajazz)

Pra saber mais sobre a história da música e pra ver todos os artistas que fizeram suas versões, clique AQUI e veja a descrição do WIKIPÉDIA.

PS: quem se interessar no assunto do filme Orfeu Negro, clique aqui e leia matéria da Revista Usina falando da peça Orfeu da Conceição, que foi feita anos antes do filme. Foi escrita por Vinícius de Morais e teve cenários de Oscar Niemeyer! 🙂 Além de outras curiosidades rs A imagem de capa deste post é do filme, a atriz que aparece na foto se chama Marpessa Dawn.